sábado, 23 de junho de 2018

o percentil da minha filha

Percentil é uma palavra tão estranha que até o corrector ortográfico não o reconhece.
Nunca ninguém me explicou o que é isso do percentil, nem mesmo o pediatra a quem pago consultas todos os meses (já estive mais longe de o despedir), no entanto, sei que está tudo bem com a minha bebecas e isso é o que importa. Só me importei mais com isso do percentil quando uma enfermeira, no centro de saúde, me disse que ela estava no percentil certo e que já não havia necessidade de acordar de noite, aí sim, tive vontade de dar um presente ao percentil porque foi mesmo música para os nossos ouvidos, era mesmo aquilo que queríamos ouvir  da boca de um profissional de saúde.

Outro dia, numa festa de aniversário, uma mãe de outro bebé disse-me o seguinte:
- a tua filha deve estar no percentil 85, não?!?
Eu fiz aquela cara de peixe espada que costumo fazer e respondi: 
- não faço ideia, está tudo bem como ela, é o que sei.
Pronto e rematei o assunto dessa forma mesmo sabendo que fui rapidamente classificada como mãe imperfeita mas, desde que esteja tudo bem, isso é que importa!

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Grande Entrevista


Todas as semanas, à quarta-feira, um protagonista da vida portuguesa responde às perguntas de Vítor Gonçalves, na Grande Entrevista, dia 13, foi a vez de Marisa.

Para uma pessoa como eu que adora entrevistas (já fui jornalista nos jornais da escola, desde o 6º ao 12º ano), este programa andou-me a escapar durante tempo demais mas, já entrou na minha rotina das quartas-feiras.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Sobre brio

brio
substantivo masculino
1. Sentimento que induz a cumprir o dever ou a fazer algo com perfeição ou sentido de responsabilidade. = PUNDONOR ≠ DESCUIDO, DESLEIXO, INCÚRIA, NEGLIGÊNCIA

in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa


Hoje apetece-me falar sobre brio, ou melhor, sobre como podemos fazer algo sempre com mais perfeição.
Tenho assistido a situações de muita falta de brio, por exemplo, eventos onde se usam pratos de plástico; para mim, o uso de pratos de plástico é mesmo sinónimo de desleixo porque é o mais fácil mas nunca o mais bonito ou o que fica melhor.
Assisto muitas vezes a eventos gastronómicos da nossa Câmara Municipal onde se usam os ditos, tudo bem, é muita gente, os técnicos têm pouco tempo mas, porque não usar pratos de plástico mas mais bonitos sem ser os horríveis pratos de plástico branco?!? Já para não falar do mal que fazem ao ambiente (e não e por irem para a reciclagem que deixam de fazer mal).
Por outro lado, outro dia vi no facebook as fotos de uma festa de aniversário de uma criança em que a comida estava servida em pratos de plástico branco e achei mesmo muito feio.
Esta semana, saiu num jornal aqui da terra, uma entrevista que fizeram à minha mãe, sobre comidas antigas, então a foto de ilustração, para além de ter sido retirada da internet, era de um ensopado de borrego mas, assim só por acaso, nas comidas todas que se falam, não se fala de ensopado de borrego, foi mesmo falta de brio.
Um pouco de brio, começando logo na minha casa, não faz mal a ninguém.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

A maternidade permite-nos desde cedo perceber alguns medos

Costuma-se dizer que depois de termos um filho, vamos perceber muita coisa.
Depois da Maria ter nascido ainda fiquei mas intrigada a tentar perceber o facto de haver pais que não gostam dos seus filhos, que os mal tratam, que os abandonam e alguns que inclusive os matam.
Não há mesmo forma de perceber, pois, para mim, seria uma coisa impensável. A minha opinião é que a um ser gerado por nós, devemos fazer tudo o que nos seja possível e por vezes fazer aquilo que pensávamos ser impossível; ainda hoje uma mãe me dizia que já fez coisas que ela não imaginava, pelo filho que tem 3 semanas mas isso já me aconteceu a mim também.

Por outro lado, já tenho pensado na dor que será perder um filho, tenho só pensado porque não quero sequer imaginar. 
Mas, no seguimento disto, o medo de perder um filho, como nos preparamos para ter um filho longe de nós? Temos curso de preparação para o parto, curso pós parto e como nos preparamos para que um filho vá num passeio com os colegas e a educadora? Como nos preparamos para um filho ir numa viagem de finalistas ao estrangeiro (de avião)? Como é que os pais têm "força sentimental" para lançar os seus filhos para o mundo? Agora percebo as mães que não dormem até os filhos chegarem a casa ou aquelas que se zangam quando eles não avisam que já chegaram.

Se calhar, vou já oferecer um telemóvel à minha filha, assim que eu for trabalhar, assim sei sempre dela. Ah, espera, é muito esperta e desenvolvida mas duvido que já fale com 4 meses.
Ufa, isto de ser mãe tem mesmo muitas, muitas dificuldades!!!

terça-feira, 19 de junho de 2018

Uma casa pequena mas enorme

A minha casa é pequena mas tem três pisos, as divisões estão dividas pelos pisos.
Assim, como podem imaginar, tenho coisas espalhadas pela casa toda, obviamente.
O que eu quero que imaginem é estar cá em baixo e precisar de ir ao último piso, ou vice versa.
Por outro lado, tudo cá em casa tem um sítio, embora às vezes não pareça, então, quando é véspera de limpeza, é preciso meter tudo no sítio, é um autêntica roda viva, como se imagina.
Há coisas que temos a triplicar, como o rolo de limpar pêlos. Gostava de ter mais coisas a triplicar, assim como gostava de ter uma casa térrea porque isto de subir e descer escadas, tem mesmo muito que se lhe diga, faz bem mas à vezes parece muito mal!!!

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Carta para a Maria

Minha Maria,

Estás cá fora há 13 semanas, sim, já passámos 13 semanas juntas, 85 dias, mais concretamente.
Foram os melhores 85 dias da minha vida. Sim, porque depois de ter casado com o papá, tu vieste completar a nossa felicidade.
Sabes? Ninguém consegue explicar como saíste tão linda, tão perfeita e tão calminha. Dizem que podes mudar mas, eu não acredito que mudes muito porque és a mistura de nós dois.
Vieste mudar completamente as nossas vidas e, como dizem as amigas da mamã e tuas tias: quem te viu e quem te vê (sobre mim), é verdade, eu não tinha muita paciência para crianças mas, como todos os casais devem ter filhos, decidimos fazer a nossa parte e nasceste tu, e estamos completamente rendidos!
Desde que nasceste, já te dei milhares de beijos e centenas de "apertões". Por vezes, ainda nem acredito que te tenho, sim, porque quando eu e o papá estamos a ver televisão, depois de adormeceres, esquecemo-nos que temos um bebé, tal é o sossego.
Afinal, sempre ficaste só Maria mas eu chamo-te muitas outras coisas: Pipoca, Princesa, Maria Pipoca, Bebecas e até já te chamei Maria Francisca!!!
Até agora, contam-se pelos dedos, de uma mão, as noites mal dormidas mas, já foram há tanto tempo que agora já nem me lembro.
Para mim, és a bebé mais linda que eu já vi, a mais esperta e a mais decidida.
Agora, cá por casa, há coisas tuas espalhadas por todo o lado, mais roupa para lavar e para passar mas eu e o papá não nos importamos.
Até hoje, quase todos os dias recebes presentes, como é possível haver tanta gente a gostar de ti e querer oferecer-te algo, alguns mesmo sem te conhecer?!
Perdi obviamente a conta às fraldas que já te mudei e às birras de sono que já fizeste mas, o que eu nunca imaginaria é que ia adorar vestir-te, calçar-te e arranjar-te de forma a que fiques a menina mais bonita do universo.
Daqui a pouco mais de um mês, a mamã vai trabalhar e ficarás cá em casa com o papá mas, ao contrário do que me acontecia antes de nasceres, hei-de vir a casa almoçar, para te dar 30 beijos e 20 abraços.
Já tens quase 3 meses, estás uma menina muito crescida, conversas, queres atenção, dormes muitas horas seguidas, estamos muito orgulhosos de ti, minha Maria.
Ao longo do teu crescimento, continua por favor um bebé lindo e um ser muito querido.

Um grande beijo da mamã.

sábado, 16 de junho de 2018

A nossa teoria sobre o Jorge


Numa pesquisa no youtube, encontrei este vídeo que fala da nossa teoria sobre o Jorge Palma e as suas músicas: sem o álcool, as suas músicas não seriam as mesmas, o álcool é mesmo um combustível para a sua genialidade mas nós, cá por casa, adoramos o Jorge, até a Maria já gosta!!!

o percentil da minha filha

Percentil é uma palavra tão estranha que até o corrector ortográfico não o reconhece. Nunca ninguém me explicou o que é isso do percentil...